DAVID BOWIE tornou-se… uma marca da WARNER MUSIC

As grandes empresas de música compram todos os direitos musicais de um artista conhecido para obter uma renda lucrativa e sustentável. Bowie pela Warner, Sting pela Universal Music e Springsteen pela Sony Music.

Os detentores dos direitos de David Bowie e Sting venderam todos os seus direitos musicais (direitos de gravação e direitos de publicação) por cerca de 300 milhões de dólares. O recorde é atribuído a Bruce Springsteen com um acordo de 500 milhões.

Se artistas em fim de carreira ou beneficiários de artistas falecidos acharem de grande interesse, os 3 majores musicais, todos listados na Bolsa de Valores, veem nesses negócios um modelo econômico lucrativo desde o advento do digital e do streaming. Eles lidam com músicas conhecidas para séries de TV e filmes (sincro), para videogames e para plataformas internacionais de streaming de música.

Se esse mercado existe, é porque os amantes da música de hoje ouvem menos lançamentos do que nos anos 1980. Dois terços deles ouvem títulos com pelo menos dois anos (fonte MRC Data). Deve-se dizer que os profissionais de marketing são muito bons em montar listas de reprodução por tema ou rankings de “melhores títulos”…

Outra prova de que o mercado está em alta, fundos de investimento como KKR ou Blackstone também compraram os direitos de publicação ou reprodução de títulos de artistas consagrados. E o especialista Merck Mercuriadis (ex-agente de celebridades) chegou a criar uma empresa, a Hipgnosis, no mesmo modelo econômico que veio a público em 2019, com artistas como Blondie ou Bruno Mars.

Direitos de edição e/ou gravação, de vários títulos ou de todos os títulos de um artista: os 3 majors adquiriram tudo para as 3 estrelas Bowie, Springsteen e Sting. Enquanto isso, Madonna está prestes a assinar com a Warner.